Os Semeadores

Notícias  

 Voltar

Meninas quenianas escravizadas

Jovens Meninas mutiladas, abusadas sexualmente e escravizadas

BH_ProfileBanner1Na região de Samburu do Quênia, meninas de até dez anos de idade são forçadas a se casarem com homens muito mais velhos como noivas-crianças.  Antes de seu dia do casamento, eles passam à Mutilação Genital Feminina (MGF | também conhecida por circuncisão feminina, é a remoção ritualista de parte ou de todos os órgãos sexuais externos femininos). Embora esta prática viole o direito internacional e da constituição do Quênia, chefes e comunidades locais dão continuidade a este mal bárbaro com virtual impunidade.
Nosso (Be Heard Project) escritório na África ajudou a resgatar as meninas que estavam vivendo neste pesadelo. E estamos envolvidos em vários processos judiciais para trazer os responsáveis à justiça.
Junte-se a 96202 outros e assine (CLICANDO AQUI) a petição do Projeto Be Heard (Seja Ouvido | Um projeto do Centro Americano para Lei e Justiça (Chistian Advocates Serving Evangelism Inc.) – Corporação religiosa sem fins lucrativos, dedicada especificamente ao ideal de que a liberdade religiosa e  liberdade de expressão são inalienáveis, direitos dados por Deus).  Meninas quenianas jovens estão sendo sexualmente escravizadas. Eles são mutilados, violados, e são negociados como prêmios. Estamos ajudando a resgatar essas meninas e colocá-las em escolas seguras. Nosso escritório Africano está trabalhando na comunidade e tendo inúmeros processos judiciais para trazer os responsáveis à justiça, incluindo funcionários locais corruptos e predatórias.  Agora estamos tomando a ação direta na ONU Exigimos o fim deste mal.

Saiba mais sobre essa história
As meninas devem passar seus dias brincando, sonhar e aprender.  No entanto, as meninas em Samburu, um condado no norte do Quênia, estão sendo privadas de sua infância e, finalmente, o seu futuro. Na tenra idade de 10 anos, e, infelizmente, às vezes até mais jovem, uma menina de Samburu é preparada para o casamento forçado para ser a segunda, terceira, ou mesmo quarta mulher de um homem que é muitas vezes da mesma idade que seu pai ou em alguns casos, avô.  Estas meninas são muitas vezes levadas a se casar em troca de apenas oito vacas, que são dadas ao pai ou aos tios da menina como um preço da noiva.
E não é apenas o horror do casamento forçado que essas meninas suportam.  Na cultura Samburu, na manhã da cerimônia de casamento uma noiva é forçada a submeter-se à prática horrível da Mutilação Genital Feminina (MGF), um ato que viola tanto as leis nacionais e internacionais. Ela é então entregue ao seu novo “marido”.
Em julho de 2015, o pessoal do nosso escritório na África Oriental viajou para Samburu para resgatar duas meninas de tal destino. Quando eles chegaram, uma das meninas, de apenas 13 anos, já havia sido casada com o chefe de área, um homem de 53 anos de idade. A segunda menina estava programada para se casar apenas quatro dias mais tarde.
Infelizmente, a jovem casada à força com o chefe já havia sido submetida à MGF e estava vivendo com o chefe. Com a ajuda da Polícia Mararal, resgatamos essa jovem. Como resultado, a polícia deteve seu “marido”, o chefe de área, e a menina foi levada para um hospital local para receber os cuidados médicos que ela desesperadamente necessitava como resultado da MGF e do estupro.
No dia seguinte, o chefe foi acusado em tribunal de se casar com uma garota menor de idade e auxiliar na MGF da jovem. Ele não se declarou culpado e o caso está em curso. Vamos continuar a lutar para o julgamento deste abusador de crianças.
A segunda menina era para ser mutilada na manhã do sábado seguinte, por isso, tivemos que agir rápido para chegar ao local antes da cerimônia de casamento acontecer.  Felizmente, a nossa equipe foi capaz de salvá-la no dia anterior ao de seu casamento pretendido e cerimônia de MGF. Um Irmão extremamente corajoso cuidou da jovem assistindo em seu socorro, escondendo-a de seu pai e trazendo-a para o escritório do Diretor de Distrito para esperar pela nossa equipe.
Ambas as meninas estão agora em uma escola privada e segura onde elas estão a salvo de seus agressores e podem começar a se curar.  Apesar de seus traumas passados, oramos que agora sejam capazes de sonhar com um futuro cheio de oportunidades.
Mas estas são apenas as histórias de duas meninas. Ainda há muito trabalho a ser feito para as muitas mais vidas que precisam ser salvas.
Estamos prontos para continuar a resgatar as meninas de Samburu, uma de cada vez.
Também vamos continuar a trabalhar legalmente, usando o sistema judicial para criar um impedimento para tal comportamento ilegal.  Nós nos juntamos a uma petição no  Supremo Tribunal de Constituição Nakuru com as partes interessadas para garantir que um homem de 54 anos de idade, que se “casar” com uma menina de 14 anos de idade, seja processado por seus crimes.  Vamos discutir por que tais processos são obrigados sob a lei queniana e suas obrigações internacionais para proteger a inocência das meninas dentro das fronteiras do Quênia. Nestes casos, então, servir como precedente à medida que continuamos nossa batalha legal para acabar com essa prática atroz.
A escravização sexual de meninas – e isso é o que é – tem de acabar.
Estamos empenhados em fornecer proteções para crianças inocentes, o desmantelamento de um ambiente de impunidade para o casamento infantil e MGF, e proteger os funcionários do governo galantes que buscam proteger a vida, a dignidade e a liberdade das meninas Samburu.
Nós estamos nos empenhando em resgatar as meninas do mal, garantir que elas sejam colocadas em escolas seguras, educar as comunidades locais sobre como proteger suas filhas, responsabilizar funcionários corruptos, mesmo quando eles intimidam as vítimas que estão brilhando uma luz na escuridão, e garantir que os autores deste abuso infantil cruel sejam levados à justiça. Ganhamos vitórias em tribunal e vamos continuar lutando.  Nós também estamos tomando a situação destas meninas diretamente à Organização das Nações Unidas (ONU). Junte-se à luta hoje.  Brilhe uma luz na escuridão. E seja ouvido.

Fonte: Be Heard Project (Projeto Seja Ouvido)
Tradução e adaptação: Joás Inacio

compartilhe: