Os Semeadores

Notícias  

 Voltar

Nepalenses vasculham escombros em busca de sobreviventes

1430067034_117106_1430067303_noticia_normal

O terremoto
Um forte terremoto atingiu o Nepal e criou tremores no norte da Índia neste sábado, deixando centenas de mortos, derrubando uma histórica torre do século 19 na capital Kathmandu e gerando uma avalanche no monte Everest.
Houve informações de devastação nas áreas montanhosas isoladas após o terremoto de magnitude 7,9, o pior em 81 anos, com seu epicentro a 80 km da segunda maior cidade do Nepal, Pokhara.
Um colapso nas comunicações dificultava os esforços de ajuda, levantando temores de desastre humanitário no pobre país do Himalaia com 28 milhões de habitantes.

narendra_shrestha-nepal-lusa_2

Mortes podem chegar a 10 mil.
KATMANDU (Reuters) – O número de mortos do devastador terremoto de sábado no Nepal poderia chegar a 10.000, disse o primeiro-ministro nepalês, Sushil Koirala, nesta terça-feira(28), enquanto moradores frustrados pela lenta resposta do governo usavam as próprias mãos para cavar em busca de sinais de seus familiares.
“O governo está fazendo todo o possível para o salvamento e a ajuda, como numa situação de guerra”, disse Koirala à Reuters. “É um desafio e uma hora muito difícil para o Nepal.”
A ajuda internacional finalmente começou a chegar à nação do Himalaia, de 28 milhões de pessoas, três dias depois do terremoto de magnitude 7,9, mas o desembolso é lento.
De acordo com o Ministério do Interior, o número de mortos confirmados já passa de 5.000 e há mais de 10.000 feridos (esses números aumentam a cada dia).

“O número de mortos pode subir para 10.000 porque as informações de aldeias remotas atingidas pelo terremoto ainda estão por chegar”, disse Koirala.

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que 8 milhões de pessoas foram afetadas pelo sismo e que 1,4 milhão estão com falta de alimentos. O terremoto mais letal do Nepal em 81 anos também desencadeou uma enorme avalanche no Monte Evereste, que matou pelo menos 17 alpinistas e guias, incluindo quatro estrangeiros, no pior desastre desse tipo no pico mais alto do mundo.
Todos os alpinistas que tinham ficado presos em acampamentos no alto do Evereste foram retirados em segurança por helicópteros, disseram montanhistas nesta terça-feira.
Uma série de tremores secundários, os graves danos causados pelo terremoto, a infraestrutura com rachaduras e a falta de recursos retardaram os esforços de resgate no país montanhoso e pobre, situado entre a Índia e a China. Na capital, Katmandu, jovens e familiares das vítimas estão cavando as ruínas de edifícios destruídos e prédios históricos.
“Aguardar a ajuda é mais torturante do que fazer isso nós mesmos”, disse Pradip Subba, procurando os corpos de seu irmão e irmã nos escombros da histórica torre Dharahara, em Katmandu. O minarete do século 19 desabou no sábado, quando turistas de fim de semana subiam as escadas em espiral.
“Nossas mãos são a única máquina no momento”, disse o homem, de 27 anos, que faz parte de um grupo de moradores que retira tijolos e blocos de concreto usando máscaras de pano sobre o rosto para afastar o mau cheiro dos corpos em decomposição. “Simplesmente não há ninguém do governo ou do Exército para nos ajudar.”
Dezenas de pessoas morreram no desabamento da torre.
Em outros lugares da antiga Praça Durbar, na capital, grupos de homens removiam escombros em torno de um templo antigo, usando picaretas, pás e as próprias mãos. Alguns policiais estavam observando.

As fortes chuvas nesta terça-feira desaceleraram o trabalho de resgate.
O chefe da Força de Desastre Nacional da Índia, OP Singh, uma das primeiras organizações estrangeiras a chegar no Nepal para ajudar nos esforços de busca e resgate, disse que encontrar sobreviventes e os corpos dos mortos levaria tempo. Singh afirmou que equipamentos pesados ​​não poderiam passar através de muitas das ruas estreitas de Katmandu.
Muitas pessoas em todo Nepal dormiram ao relento pela terceira noite seguida, pois suas casas foram destruídas ou correm risco em meio aos tremores secundários que espalham mais medo entre a população traumatizada. Em Katmandu, como em outras partes do país, milhares de pessoas estão dormindo em calçadas, vias públicas e nos parques, muitas sob tendas improvisadas.
Os hospitais estão sobrecarregados, enquanto a água, alimentos e energia são escassos, o que faz aumentar a preocupação com surtos de doenças.

terremoto-no-nepal-by-british-red-cross-2-1024x611

Milhares fogem da capital
Autoridades nepalesas se esforçam para levar a ajuda do principal aeroporto do país até as pessoas desabrigadas e sem comida em decorrência do terremoto, enquanto milhares de moradores cansados de esperar deixavam a capital, Katmandu, em direção às planícies nos arredores.
As operações no Aeroporto Internacional Tribhuvan, de Katmandu, ficaram prejudicadas após muitos empregados não aparecerem para trabalhar, ao mesmo tempo em que muitos passageiros buscavam sair do país.  Uma série de tremores menores forçou o fechamento do aeroporto diversas vezes após o terremoto.

Estima-se que 300 mil turistas estrangeiros estavam no Nepal, várias centenas dos quais estariam no Monte Everest, quando o terremoto de magnitude 7,9 atingiu o país no último sábado.

Missionários 
Os 5 missionários parceiros da Missão OS SEMEADORES estão vivos e contam com apoio e oração em favor dos familiares das vítimas.

(Por Rupam Jain Nair e Gopal Sharma, Reportagem adicional de Sanjeev Miglani, Ross Adkin e Christophe Van Der Perre, em Katmandu; Aman Shah e Clara Ferreira-Marques, em Mumbai; Aditya Kalra, Frank Jack Daniel e Douglas Busvine, em Nova Délhi; e Jane Wardell em Sydney)
Em Reuters International | Adaptado por Joás Inacio

#PrayForNepal

compartilhe: